Dilma Roussef consegue registrar campanha para o Senado

Com um placar apertado no TER-MG (Tribunal Eleitoral Regional de Minas Gerais), a ex-presidente Dilma Roussef (PT) conseguiu registrar a sua candidatura ao Senado Federal. Por 4 a 3, os dez pedidos de impugnação apresentadas foram derrubados.

Os pedidos foram feitos pelo Partido Novo e por outros candidatos a deputado federal, como Danielle Dytz da Cunha (MDB), que é filha do ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB), que está em preso em Curitiba, por causa da Lava Jato.

As solicitações tiveram como referência que a ex-presidente estaria inelegível por oito anos, desde o impeachement em 2016. Porém, quando perdeu o mandato, o Senado Federal decidiu que ela não sofreria as consequências da condenação por crime de responsabilidade. Ou seja, não está inelegível.

Em Minas Gerais, Dilma está na frente na pesquisa na corrida do Senado. Pelo Ibope, ela está com 26% na preferência do eleitorado.