Danilo Joan anuncia “Plano Retoma Cajamar” para reabertura dos comércios

A tão esperada volta dos comércios.

Na noite desta quarta-feira (10) o Prefeito de Cajamar Danilo Joan (PSD), anunciou através de uma transmissão ao vivo em suas redes sociais o Plano Retoma Cajamar para a reabertura dos comércios no município.

Segundo Danilo, após o decreto do Governador João Doria (PSDB), as regiões da Grande São Paulo podem aderir a reabertura gradativa dos comércios.

O prefeito ressaltou que Cajamar tinha 10 leitos de UTI (Unidades de Terapia Intensiva) tendo em vista que a região norte da grande São Paulo teria que ter 89 leitos para poder avançar para a fase laranja e por isso Cajamar aumentou o seu número de leitos para 18.

Segundo o prefeito apesar da reabertura dos comércios o município vai seguir o decreto do governador na risca, pois, o decreto do governo sobrepõe o decreto dos prefeitos.

“O laranja não pode abrir tudo, o amarelo também não abre todos os comércios, mas nós precisamos chegar no azul e para isso todos nós temos que fazer a nossa parte” disse Danilo Joan.

Veja o vídeo na íntegra:


Volta dos comércios

Em relação à volta do comércio, o Prefeito informou que a partir de Segunda-feira, dia 15, os seguintes estabelecimentos estão autorizados a funcionar, sendo eles:

  • Atividades imobiliárias
  • Escritórios
  • Concessionárias
  • Comércio
  • Shopping Center

Os comércios citados à cima, devem implantar medidas de prevenção como: álcool em gel nas entradas, controle de acessos para evitar superlotação e uso obrigatório de máscara em todos os lugares, inclusive nas ruas.

Todos os comércios deverão trabalhar com 20% da capacidade de cliemtes e com o horário estimado das 09h as 18h.

O prefeito ressaltou que a medida de flexibilização só foi possível após o aumento dos leitos de UTI na região.

Segundo o prefeito, dia 29 ocorrerá uma nova avaliação onde se todos seguirem as orientações de prevenção o município poderá avançar para a fase amarela onde os salões de beleza poderão voltar a funcionar e os restaurantes poderão sair do delivery além das igrejas que poderão voltar a ter cultos com um número menor de pessoas.